Potes plásticos

O que é bisfenol A e como se proteger

Compartilhe!

É muito provável que você tenha na sua cozinha potes e outros utensílios de plásticos. Porém, o uso deste tipo de material tem se revelado problemático para a saúde do ser humano. Isso é devido a um composto químico tóxico encontrado em alguns tipos de plásticos, inclusive em mamadeiras e no revestimento interno de latas. Este pode migrar para os alimentos e, depois, para o corpo humano, provocando inúmeras alterações. Essa substância chama-se bisfenol A ou BPA. Nesse artigo descubra o que é o bisfenol A e como se proteger.



O que é o bisfenol A?

O BPA ou bisfenol A é um composto utilizado na fabricação do policarbonato (PC), um tipo de resina usada na produção de alguns plásticos. Também está presente na resina epóxi, utilizada na fabricação do revestimento interno de latas de alimentos e bebidas. Esse revestimento tem a função de evitar a ferrugem e prevenir a contaminação externa.

O que é bisfenol A.

Mas o BPA é uma molécula muito instável. Dessa forma, pode migrar das embalagens para os alimentos, principalmente após mudanças de temperatura ou danos ao revestimento das latas. E mudanças de temperatura, mesmo pequenas, já são suficientes para liberar o bisfenol A. Porém, o BPA é ainda mais liberado dos utensílios de plástico para os alimentos, quando esses são aquecidos.



Riscos do BPA para a saúde

Assim, o principal perigo da exposição ao bisfenol A está no fato dele ser considerado um desregulador endócrino. Estudos sugerem que o BPA pode afetar nosso sistema endócrino. Ou seja, age aumentando ou diminuindo a produção ou a ação dos nossos hormônios. Isso, claro, provoca diversos problemas para a saúde.

Gestantes devem ficar ainda mais atentas, já que o bisfenol A atravessa a placenta, afetando o sistema endócrino do bebê. O BPA atinge mais gravemente fetos e crianças, já que estão em fase de desenvolvimento.

Nas mulheres o BPA pode levar a infertilidade, além de provocar instabilidade na ovulação e aumentar a incidência de câncer de mama, ovário e endométrio.

Em meninas o BPA pode levar a puberdade precoce. Além disso, pode aumentar a proliferação das células de gordura resultando em obesidade.

Nos meninos pode gerar a atrofia testicular, testículos ausentes ou ectópicos (crescimento fora do saco escrotal). E também ausência de próstata e ainda má formação ou ausência de epidídimo (local de armazenamento e amadurecimento de espermatozoides), entre outras malformações genitais.

O BPA também afeta os homens. Eles podem ter a produção de espermatozoides prejudicada, causando problemas de infertilidade. Há ainda risco de câncer de próstata.

Mas o bisfenol A também pode estar envolvido em problemas gastrointestinais, no fígado, doenças inflamatórias crônicas e déficit de atenção e hiperatividade.



BPA e a legislação: potes plásticos e mamadeiras

O BPA pode ser encontrado até em mamadeiras. Por isso, desde 1º de janeiro de 2012, a ANVISA proibiu a comercialização de mamadeiras e produtos voltados para lactentes contendo BPA.

O que é bisfenol A.

A União Europeia e países como Canadá e Estados Unidos também já tomaram medidas para restringir o uso do bisfenol A.

Para as demais aplicações, contudo, como potes plásticos, revestimentos de latas, garrafões de água e utensílios de cozinha em geral, o BPA ainda é permitido. Mas a legislação estabelece limite máximo de migração específica desta substância para o alimento, que foi definido com base nos resultados de estudos toxicológicos.

A detecção dos efeitos biológicos na exposição em curto prazo ao BPA é impossível. Entretanto, após longos períodos de ingestão, manifestações tóxicas sutis e, por isso mesmo, de difícil detecção, poderão ocorrer.

Como identificar nas embalagens do BPA

É preciso ler o rótulo e evitar todo produto que contenha policarbonato ou os números 3 ou 7 no símbolo da reciclagem, que geralmente aparece na base da embalagem. Se o produto não trouxer nenhuma informação, na dúvida, é melhor evitar seu uso.

O que é o bisfenol A?

Já existem embalagens livres do composto, indicação que também costuma constar no rótulo do produto. Exemplos abaixo:

Símbolo sem BPA

Não há unanimidade

Há pesquisas, contudo, que liberam o uso de plásticos contendo BPA. Justificam que a quantidade presente nesses produtos é muito pequena e bem inferior ao limite máximo permitido.

Outras pesquisas, entretanto, não excluem a possibilidade de ocorrência de efeitos adversos sobre a saúde humana, em decorrência da exposição ao BFA, mesmo em baixas doses.

Mas a realidade é que ninguém sabe ao certo a gravidade do problema. É muito difícil fazer pesquisas com esse tipo de substância em humanos, principalmente quando se pensa no consumo de longo prazo.



Como evitar a contaminação por Bisfenol A

Abaixo um resumo sobre como evitar a contaminação pelo BPA.

No caso das mamadeiras, utilize as de vidro ou com a indicação “BPA Free”, que significa livre de bisfenol.

Descarte utensílios de plástico lascados ou arranhados, mesmo que não tenham os símbolos de reciclagem números 3 e 7. Também evite lavá-los na máquina de lavar louças. Mesmo que não tenha o BPA, os plásticos podem conter outras moléculas que também podem migrar dos utensílios e contaminar os alimentos. Algumas já estão em estudo como os ftalatos.

Quanto aos enlatados, evite o consumo. Afinal o bisfenol A também é encontrado na resina epóxi que reveste a parte interna das latas.

Não esquente bebidas e alimentos em potes plásticos no micro-ondas. O bisfenol A e outros compostos em geral, são liberados em maiores quantidades com o calor. Pelo mesmo motivo, não coloque líquidos quentes em canecas ou recipientes de plástico. Dê sempre preferência a utensílios de vidro, inox, cerâmica ou porcelana. Dessa forma, reaproveite as embalagens de vidro de alimentos, por exemplo, para armazenar suas preparações. É prático, barato e ecológico!

Enfim, é isso. Ficou alguma dúvida?

Siga o Almanaque da Mulher no Facebook e no Instagram.



2 comentários em “O que é bisfenol A e como se proteger”

Deixe uma resposta

Rolar para cima